Home  |  ARCA Brasil  |  Imprensa  |  Mapa do site  |  Contato

Ações para o Confinamento de Animais: Ações de Sucesso!


No compasso*

* traduzido do inglês para português do informativo “In Compass”.

O Grupo Compass "choca" uma política de ovos produzidos em granjas sem gaiolas.



Fig.1 – Galinhas poedeiras criadas em
sistema de gaiolas em bateria.


Ações rápidas asseguram a estratégia de ovos produzidos sem gaiolas.

Num dia ensolarado do final de agosto em New Hampshire, Bob Newton e vinte outros membros do Comitê Corporativo de Responsabilidade Social do Grupo Compass ouviam atentamente enquanto Wayne Pacelle, presidente e CEO da Humane Society dos Estados Unidos, falava sobre a dor e o desconforto que muitas galinhas sofrem durante uma vida inteira produzindo ovos.

“Ele nos contou sobre as galinhas que vivem em gaiolas tão pequenas a ponto de não conseguirem esticar as asas, e também sobre como elas são impedidas de desenvolver importantes comportamentos naturais”, disse Newton, um gerente de compras das operações Foodbuy do Grupo Compass e o homem que encomenda milhões de ovos usados a cada ano pelos clientes do Grupo Compass. “A lista das formas de sofrimento dessas galinhas era muito longa e horrível”.



Fig.2 – Galinhas poedeiras em
ambiente sem gaiolas.


Os membros do time CRS, representantes de cada um dos setores do Grupo Compass, já estavam em busca de novas ações que o Grupo Compass poderia realizar no intuito de melhorar o bem estar dos animais de produção. As condições descritas por Pacelle, existentes em várias granjas produtoras de ovos, não surpreenderam a equipe, mas criou um momento “ah-há” que iniciou um dos maiores e mais rápidos programas de conversão de produtos na história do Grupo Compass.

Apenas 150 dias depois, em 12 de dezembro, 2007, o Grupo Compass anunciou ao mundo que implementava uma política de ovos de galinhas criadas sem gaiolas (“cage-free”) como um primeiro passo em direção à eliminação completa do uso de ovos provenientes de galinhas confinadas em gaiolas.

“Estamos muito orgulhosos pela forma como conseguimos fazer isso acontecer”, disse Newton. “Mas também nos questionamos, se estamos fazendo isso, por que outros não fazem também?”.


Um e-mail fortuito


Sentada entre os membros da equipe CRS ouvindo a palestra de Pacelle naquele dia, estava Cheryl Queen, vice-presidente de comunicações corporativas do Grupo Compass. Lembranças passaram pela sua mente enquanto ela pensava sobre como uma simples mensagem de e-mail poderia definir as bases do que estava sendo lançado como uma parceria entre a empresa norte-americana líder em serviços de alimentação e a maior organização de proteção animal do país. Meses antes, enquanto desfrutava de férias em um local remoto, Queen agradeceu pelo serviço de Pager do seu Blackberry surrado quando retornou de uma caminhada na praia e encontrou seu Pager cheio com duas dúzias de e-mails contendo a mesma mensagem: Olá. Eu sou da Humane Society dos Estados Unidos e eu gostaria de falar com você sobre seu uso de ovos produzidos em sistemas sem gaiolas.

Os e-mails vieram de Josh Balk, diretor de relacionamento da campanha de indústria animal da Humane Society. A mensagem dele era clara: O Grupo Compass havia entrado no radar da Humane Society na sua campanha contra a criação de galinhas poedeiras confinadas em gaiolas de bateria. Em poucos exemplos, as empresas que não trabalhassem em prol da mudança das práticas de obtenção de ovos poderiam tornar-se o foco das ações da Humane Society, incluindo anúncios impressos e em rádio, exigindo as empresas mudem suas práticas por um tratamento mais humanitário aos animais de produção.

O que poderia ter se sido uma batalha de adversários tornou-se um evento fortuito que veio na hora certa.

O Grupo Compass já estava colaborando com a Defesa Ambiental para o desenvolvimento de uma política de compra inédita no intuito de frear o uso de antibióticos na produção suína. O gigante dos serviços alimentícios havia abraçado uma política maior ainda para substituir a compra de espécies de peixes ameaçadas por fornecimentos de origem sustentável, tornando-se a maior empresa do ramo alimentício a implementar uma política em tal escala.

Em 2005, a empresa de gerenciamento Bon Appétit do Grupo Compass se tornou a primeira empresa de gerenciamento no ramo alimentício a comprar apenas ovos produzidos sem gaiolas. Mais tarde , em março de 2007, como parte dos nove pontos do Programa Wolfgan Puck de tratamento humanitário aos animais de produção; Wolfgang Puck, incluindo a Wolfgang Puck Catering, disse que até o fim do ano não usariam mais ovos oriundos de galinhas poedeiras confinadas em gaiolas de bateria.

“O Grupo Compass disse à Humane Society, `Ok, fale-nos sobre os ovos produzidos sem gaiolas´”, Recorda-se Queen. “Diga-nos por que são importantes, mas permita-nos pensar um pouco sobre eles e sobre como podemos viabilizá-los. Nós somos uma empresa grande e não podemos mudar o curso de uma hora para outra. Entretanto, se forem pacientes e trabalharem conosco, faremos o possível para acompanhá-los nessa jornada”.

Naquele dia ensolarado de agosto, meses depois, Queen se juntou aos seus colegas da CRS em New Hampshire para ouvir a apaixonada palestra de Pacelle.


Ao comprar de pequenas granjas (normalmente os sistemas sem gaiolas possuem milhares de vezes menos aves do que os sistemas de gaiolas em bateria), estamos apoiando as granjas familiares que na maioria das vezes causam menor impacto ambiental do que as fazendas industriais com gaiolas de bateria em massa.


A parceria solidifica


Wayne Pacelle entrou na reunião do Grupo Compass com expectativas incertas. Ele sabia que os membros da CRS estavam dispostos a ouvir, mas ele não sabia como eles iriam reagir quando ele obrigasse o gigante da indústria alimentícia a examinar a maneira como os animais criados para produção de alimentos são tratados.

“Minha mensagem naquele dia era a de que os animais merecem tratamento humano, justo e decente – inclusive os animais que são criados para se tornarem alimento”, Pacelle disse mais tarde. “Tratava-se de uma visão bastante ampla da responsabilidade humana sobre os animais e sobre como todos nós precisamos fazer parte da solução”.

Lendo as expressões faciais dos membros da equipe CRS, Pacelle percebeu que estava a caminho de uma vitória. “Eu podia afirmar que se tratava de um grupo de pessoas de mente aberta, dispostos a ouvir”, disse Pacelle. Após 10 minutos de conversa, percebi que estávamos arquitetando uma potencial parceria.

Pacelle não sustenta aquela postura exigente e mandona que muitos podem esperar de um ativista dos direitos animais que ao mesmo tempo em que conversava com a equipe CRS tentava obstinadamente fazer o superstar da NFL, Michael Vick, desistir da briga de cães. Mais exatamente, Pacelle, 42 anos, compartilha pensamentos que são medidos e doados numa entrega calma e permanente. “Ele tem uma forma de passar sua mensagem com uma intensidade quieta que conecta as pessoas” disse Queen.

“Para mim, foi uma reunião motivadora e inspiradora”, disse Pacelle, “porque essas pessoas que tem o papel de colocar a comida na mesa dos cidadãos de toda a América gostariam de construir um mundo melhor”.


Em busca de fornecedores


Naquela mesma época, a 900 milhas de distância, na Indiana do Norte, o produtor de ovos John Brunnquell foi cercado por 20.000 galinhas numa fazenda Amish enquanto o repórter do jornal local o questionava acerca da demanda dos consumidores por ovos colocados por galinhas não confinadas em gaiolas.

Como você prevê o futuro dos ovos produzidos sem gaiolas, o presidente e CEO da Egg Innovations se lembrava de o repórter ter perguntado. “Eu disse que talvez em 10 anos, eles equivaleriam a 10 por cento do mercado. Agora, apenas alguns meses depois, eu tenho certeza de que equivalerão a muito mais do que 10 por cento e que isso acontecerá em muito menos de 10 anos”.

A Egg Innovations cultiva uma relação de muitos anos com o Grupo Compass. Ela iniciou em 2005, com a política da Bon Appétit em prol da compra de ovos produzidos sem gaiolas. Como uma empresa que conseguiu converter 100% de seu sistema convencional em um sistema de produção sem gaiolas, a Egg Innovations entende o desafio que as corporações têm que superar quando promovem inovações na cadeia produtiva. Com o objetivo de fornecer ovos produzidos sem gaiolas para todas as operações do Grupo Compass, Bob Newton, do Grupo Compass se dirigiu a Egg Innovations novamente.

Newton é um jovem expatriado britânico com um sorriso rápido e uma personalidade que nos desarma, ele ama fazer o que é certo, pelos animais. Seus colegas, e inclusive outros membros da equipe CRS, o chamam de “O Homem OVO” e lhe dão o devido crédito por ter suado a camisa para conseguir pôr a idéia da produção de ovos por galinhas criadas sem gaiolas em prática.

A partir do próprio ponto de vista, Newton rejeita qualquer crédito rapidamente e ainda insiste em afirmar que teve muita sorte por poder buscar essa iniciativa em nome do Grupo Compass.

Newton começou sua busca contando à Egg innovations e a outros potenciais fornecedores sobre os requerimentos do Grupo Compass: para assegurar que os sistemas de produção dos fornecedores são verdadeiramente sem gaiolas, todos os fornecedores precisam obter a certificação da organização Humane Farm Animal Care sediada na Virginia, uma organização sem fins lucrativos que se dedica a estabelecer padrões viáveis e monitorados com credibilidade para a produção de comida humana.

A certificação assegura os consumidores de que os produtores certificados atingem esses padrões.

Sem problemas, disse Brunnquell. A Egg Innovations obteve a certificação da HFAC muitos meses antes quando negociava um contrato de fornecimento com a Bon Appétit.


Um momento bastante oportuno


A chamada de Newton alcançou a Egg Innovations num momento oportuno. A empresa já estava construindo novos galpões para aumentar sua capacidade de produção. A Egg Innovations trabalha diretamente com pequenos fazendeiros, muitos dos quais são fazendeiros Amish que vivem em comunidades do meio-oeste. A Egg Innovations ajuda os fazendeiros a construírem galpões sem gaiolas que comportam em torno de 20.000 galinhas.

“Nossa parceria de negócio oferece uma boa qualidade de vida para os fazendeiros e uma boa qualidade de vida para as aves sob seus cuidados”, disse Brunnquell.

Brunnquell disse que as galinhas de um galpão da Egg Innovations usam em média 207 polegadas quadradas de espaço para se moverem, alisarem as penas, bicarem, e porem ovos. Galpões com gaiolas de bateria normalmente só têm 67 polegadas quadradas por ave, o que é menor do que uma única folha de papel. Em contraste, todas as nossas construções são projetadas com acesso a área externa e com mais espaço para a alimentação“, disse ele. “As galinhas põem seus ovos em ninhos. Existem janelas para iluminação natural. E, além disso, elas têm a oportunidade de socializar.”

Brunnquell estava animado com a chance de aumentar seu fornecimento às operações do Grupo Compass. “Nós estávamos assistindo a uma mudança no mercado”, disse ele. “A decisão da Bon Appétit mostrou que o mercado de ovos produzidos sem gaiolas estava indo além das mercearias. O Grupo Compass estava prestes a ajudar o mercado a se mover ainda mais rápido”.


Grande interesse pelos clientes


Newton pesquisou os clientes do Grupo Compass simultaneamente por todo o país para saber se eles apoiariam a iniciativa da produção de ovos livre de gaiolas. É claro que apoiaram, disse ele. “Mas eles também se preocuparam com as despesas extras”.

Por sorte, por ser o momento certo ou pela experiência no negócio, Newton negociou valores com a Egg Innovations que mantiveram os custos da produção de ovos sem gaiolas iguais às dos fornecimentos normais de ovos. Newton informou aos seus clientes que os custos seriam neutros.

A resposta dos clientes foi surpreendente. Fazendo uma estimativa agressiva acerca do número de ovos que os clientes solicitariam, Newton percebeu que ele precisaria de cerca de 1.26 milhões de ovos produzidos sem gaiolas por mês.


"O Grupo Compass não só abriu as portas dos ovos produzidos sem gaiolas para seus consumidores, ele também chamou a atenção de toda a indústria para o assunto".


"Ao mudar sua política, o Grupo Compass não só mudou a situação de milhares de animais, ele estabeleceu um novo padrão".


“Eu fiquei pasmo quando vi os números”, disse ele, ainda balançando a cabeça incrédulo. Os clientes encomendaram o triplo de suas estimativas: 3.6 milhões de ovos por mês. “Era um desafio logístico, mas esse é o tipo de desafio que vale a pena administrar”.

Brunnquell concorda. “Nas duas primeiras semanas, chegaram pedidos que desbancaram nossas provisões”, disse ele. A Egg Innovations logo percebeu um efeito em onda que aumentou ainda mais a demanda.

“O Grupo Compass não só abriu as portas dos ovos produzidos livres de gaiolas para seus consumidores, ele também chamou a atenção de toda a indústria para o assunto”. Disse Brunnquell, acrescentando ainda que o Grupo Compass recebe agora cerca de 20 por cento da produção total da Egg Innovations.

“No verão passado estávamos planejando adicionar mais alguns galpões por ano”, disse Brunnquell. “Hoje estamos adicionando de 10 a 20 galpões por ano”.


O entusiasmo acerca dos ovos


Em 17 de dezembro, apenas 105 dias após a reunião em New Hampshire, O Grupo Compass anunciou sua nova política de ovos produzidos sem gaiolas.

A resposta do público à notícia dos ovos produzidos sem gaiolas foi forte e imediata. E-mails enviados de todo as partes do país inundaram a equipe do Grupo Compass com mensagens do tipo:

“Até hoje, eu nunca havia ouvido falar do Grupo Compass, mas esta ação os colocou definitivamente no mapa daqueles que se preocupam com o que se come e com o impacto que o que comemos causa no ambiente e nos animais”.- K.B.L.

“Deus abençoe todos vocês pela sua nova política de ovos produzidos sem gaiolas. Ela fará grande diferença no bem estar daquelas pobres galinhas confinadas. Acredito que outras empresas seguirão seu exemplo, tornando possível o fim da crueldade do sistema de gaiolas de bateria. É encorajador quando grandes empresas fazem a coisa certa”.- A.B.

“Obrigado. O que vocês fizeram por essas galinhas e possivelmente por outros animais de produção NÃO PODE ser medido. Eu nunca senti tanto orgulho de uma empresa. Pode não ter sido fácil financeiramente, mas as recompensas nessa vida e na próxima serão maiores do que qualquer lucro que vocês pudessem ter tido. Obrigado por estabelecer o padrão e deixar um forte exemplo para as outras empresas seguirem” - B.M.

Cheryl Queen, VP de comunicações corporativas, leu os e-mails com alegria. “Ninguém disse, ‘quem liga pras galinhas poedeiras”, disse ela. “Isso realmente mostra que tipo de empresa o Grupo Compass é. Nós estamos abertos às mudanças em todos os níveis. Somos líderes nessa mudança”.


Estabelecendo um novo padrão


Num dia, em meados de fevereiro deste ano, Wayne Pacelle refletiu sobre as ações do Grupo Compass enquanto falava conosco ao telefone. “Quando uma empresa do tamanho do Grupo Compass assume um compromisso tão significativo quanto esse, faz com que as pessoas prestem atenção e tomem nota”. disse ele. “Eleva o nível para outras empresas alcançarem não somente em termos de compromisso, mas também em velocidade de resposta”.

“Ao mudar sua política, o Grupo Compass não só mudou a situação de milhares de animais, ele estabeleceu um novo padrão. Uma vez que um líder da indústria toma uma atitude como esta, naturalmente, outras empresas seguirão seu exemplo. Não há substituto para a liderança corporativa de excelência”.

Grupo Compass. Todo mundo, todos os dias, em todos os lugares.